Prevenção da resistência aos antibióticos na cirurgia

17 Novembre, 202009:26

“Não podemos simplesmente permitir a perda da eficácia dos antibióticos”

O Dia Europeu de Sensibilização para o Uso de Antibióticos terá lugar no dia 18 de novembro. A campanha visa aumentar a sensibilização para a resistência aos antibióticos e o uso apropriado dos antibióticos. Promover um diálogo ativo é a chave se queremos combater este desafio global face a este mundo em mudança rápida.

Mediuutiset | Ville Kainu, Pfizer & Satu Honkala, Bonalive Biomaterials:

A resistência bacteriana aos antibióticos aumentou a uma escala global. Este fenômeno é conhecido como resistência aos antibióticos. Estimativas indicam que aproximadamente 700.000 pessoas morrem a cada ano devido a infecções causadas por bactérias resistentes aos antibióticos. Se não conseguirmos encontrar soluções, estima-se que este número alcance 10 milhões por ano no ano de 2050.

Os antibióticos são um pilar vital dos cuidados de saúde modernos e têm um papel crucial ao permitirem a realização de vários procedimentos cirúrgicos. Os antibióticos são usados na cirurgia tanto para prevenir infecções pós-operatórias como para as tratar. Se existir um risco grave de transmissão de infecções bacterianas resistentes aos antibióticos, a finalidade de muitos procedimentos poderá ficar em risco no futuro.

Isso demonstra que existem riscos consideráveis em não haver antibióticos eficazes à nossa disposição.

O papel preventivo dos antibióticos na cirurgia

O papel dos antibióticos profilácticos dependem do procedimento cirúrgico e do tipo de bactéria que habita a parte anatômica em questão. No tratamento cirúrgico de fraturas da anca, por exemplo, os antibióticos profilácticos diminuem o risco absoluto de infecção em uma pequena percentagem, enquanto na cirurgia do cólon esse valor pode ser superior a 25%. Isso demonstra que existem riscos consideráveis em não haver antibióticos eficazes à nossa disposição. Nos Estados Unidos, por exemplo, as estimativas indicam que se a eficácia dos antibióticos profilácticos diminuiu em somente 10%, as cirurgias do cólon poderão causar quase 2.000 mortes por ano.

As infecções bacterianas pós-operatórias podem ocorrer mesmo na presença de um tratamento profiláctico. Antes da era dos antibióticos, as infecções de pele apresentavam uma taxa de mortalidade de aproximadamente 10%, enquanto hoje esse valor é inferior a 1%. Embora os antibióticos não sejam a única razão para esta evolução, eles tiveram um papel importante. As infecções incisionais classificadas como infecções de pele são uma complicação pós-operatória bastante comum e a taxa crescente de resistência aos antibióticos pode aumentar ainda mais sua incidência. Um estudo realizado nos Estados Unidos concluiu que quase metade das bactérias típicas responsáveis pelas infecções incisionais eram resistentes aos antibióticos típicos usados no tratamento profiláctico.

Colaborando para encontrar soluções eficazes

A taxa crescente de resistência aos antibióticos também representa uma ameaça significante para os domínios da cirurgia óssea, cirurgia de implantes e cirurgia de substituição de articulações. Uma infecção óssea é uma complicação rara, mas muito grave no campo da ortopedia e traumatologia. Os ossos podem ficar infectados de várias formas: uma infecção em uma parte do corpo pode alcançar o osso através da corrente sanguínea ou a infecção pode ser precedida de uma fratura aberta ou cirurgia.

As diretrizes clínicas atuais recomendam que infecções ósseas sejam tratadas através de uma intervenção cirúrgica de duas partes. Na primeira cirurgia são aplicados antibióticos locais no osso que são depois removidos e substituídos por um preenchimento da cavidade óssea na segunda cirurgia. Os resultados de pesquisas sugerem que o tratamento também poderá ser feito através de uma única cirurgia, preenchendo a cavidade óssea com uma substância, como o vidro bioativo, que inibe o crescimento bacteriano. Equipes multidisciplinares poderão trabalhar para melhorar as diretrizes clínicas, buscando soluções eficazes para problemas como os tratamentos de preservação do membro para infecção óssea em diabéticos. Existe a necessidade de desenvolver mais opções de tratamento eficazes do ponto de vista de custos e melhorar a qualidade de vida dos pacientes através de menos tratamentos penosos. Reduzir a necessidade de cuidados em regime de internação poderão também ajudar na redução do risco de desenvolver uma infecção.

Resolver o problema da resistência aos antibióticos exige uma maior colaboração entre o mundo acadêmico, o setor privado e as autoridades competentes.

 Os antibióticos continuam sendo uma ferramenta necessária

A prevenção da resistência aos antibióticos tem de ser abordada de todas as perspectivas, promovendo o uso apropriado dos antibióticos, priorizando as medidas preventivas, investindo no desenvolvimento de antibióticos, diretrizes clínicas e diagnósticos e encontrando alternativas ao uso de antibióticos. O que é óbvio é que não podemos simplesmente permitir a perda da eficácia dos antibióticos. Resolver o problema da resistência aos antibióticos exige uma maior colaboração entre o mundo acadêmico, o setor privado e as autoridades competentes.